quarta-feira, 21 de maio de 2014

DE PASSAGEM POR HONDURAS

No dia 11 de maio (domingo), compramos cerveja local, Toña, para comemorarmos o Dia das Mães, mais tarde quando parássemos. Não podíamos imaginar que seriam tão "queridas"!


Alfândegas e aduanas de saída da Nicaragua e de entrada em Honduras sem problemas, mas, como sempre, demoradas (quase 2 horas). Ah, as Toñas!

Na saída, Jose Luis, motorista salvadorenho de caminhão carregado de carne foi super atencioso e prestativo com dicas das estradas de Honduras e de seu país e onde poderíamos dormir seguros. Ganhou um boné do Extremo Norte.

Caminhão de Jose Luis e os parabarros Yo Yo Yo.
Como só cruzamos Honduras, não vimos muita coisa. O que observamos: muito árido com árvores diferentes, estrada razoável com subidas e descidas e muitos jegues no caminho. Um nordeste hondurenho!


Na aduana de saída de Honduras, encontramos casal de australianos de moto e com cachorro vindos dos EUA e indo ao Brasil para a Copa do Mundo. Já estavam há quase 4 horas na burocracia. Nós perdemos pouco mais de 1 hora. Ah, as Toñas!


À direita, atrás da moto, a casinha amarela do cachorro
Alfândega e aduana de entrada em El Salvador distantes uns 5 km uma da outra. Estava muito calor e perdemos mais de 1 hora. Ah, as Toñas!


Como já anoitecia, resolvemos ficar no posto de gasolina, logo depois de cruzarmos a fronteira, dica de José Luis, que apareceu por lá usando o boné ganho para nos “visitar”. Só descobrimos seu nome aí, pois esquecemos de lhe perguntar antes.

Ah, as Toñas! Bebemos lá mesmo no estacionamento antes do jantar que experimentamos outras duas locais: Suprema e Pilsener. Todas ótimas!

Um brinde às mamães!

Um comentário:

  1. Ah as toñas! Tb fiquei com vontade!!!
    Adorei a estória do cachorro!

    ResponderExcluir